Saber amar faz toda a diferença

Percebo que boa parte dos relacionamentos amorosos são baseados no medo e no ciúme. O medo de perder e ficar sozinho é um dos principais motivadores de ações excessivas de “cuidado” com a relação, que acabam prejudicando ao invés de ajudar. Em muitos casos se dá o nome de amor somente ao fato de existir um vínculo conjugal. Porém, quando as pessoas são desafiadas a descreverem esse nobre sentimento, notamos que a maioria tem dificuldade em comunicar a sua própria percepção interna em torno desse assunto.

Pois bem, vivemos numa sociedade em que não é nos ensinado como perceber, aceitar e lidar com os sentimentos. Então é natural que estejamos completamente perdidos neste sentido. E isso se confirma pelo consumismo desenfreado, seja de roupas, alimentos, viagens, de drogas licitas ou ilícitas, o que vem ampliando também os casos de depressão, síndrome do pânico ou compulsões por sexo, jogos e até mesmo atividade física. Tudo como forma de aliviar o sofrimento e ampliar um pouco as sensações de prazer.

Atualmente a falta de acolhimento, o excesso de pensamentos e afazeres vem afastando cada dia mais as pessoas, inclusive as que vivem juntas. O fato de não se sentirem escutadas como gostariam amplia ainda mais o distanciamento.

Faça a diferença! Toda vez que alguém importante para você lhe contar um acontecimento, escute de maneira atenciosa e construtiva. Além de contribuir para a satisfação da pessoa com quem você se importa, você irá desfrutar das boas sensações e sentimentos que advém do fortalecimento do vínculo afetivo

Diego Sant’ Anna

Psicólgo, Coach e Personal Wellness

Compartilhar